Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Condessa de Melo

Condessa de Melo

29
Out20

Das memórias do 4.º Conde de Mafra

D. Rafaela da Silva Melo

Um texto raro e muito importante para mim. Obrigada por me enviar!

Médico de D. Carlos I, o professor D. Tomás de Melo Breyner descreve nos dois volumes de memórias publicados a época da sua juventude, durante o reinado de D. Luís I. Neste trecho descreve o início da temporada de ópera no Teatro de São Carlos.

                                                        ph-scarlos.jpg

                                                                    Teatro de São Carlos

[ABERTURA DA TEMPORADA LÍRICA em 29 de Outubro de 1878.]

O dia de anos D'el-rei D. Fernando era havia muito tempo a data escolhida para a inauguração da época lírica no Teatro de S. Carlos com uma récita de gala.

E que belo espectáculo era uma dessas récitas!. Vi-o pela 1.ª vez nesse ano.

Enchente à cunha nos camarotes e plateias.

Nesse tempo havia a plateia superior à frente e a geral atrás. Um lugar para a primeira custava um quartinho ou fossem 1.200 réis antigos, para a segunda sete tostões.

À entrada da Família Real a orquestra tocava o hino e todas as senhoras e homens se punham de pé sem exceptuar o Latino Coelho sempre bem educado. Por isso lhe chamavam jacobino da Real Câmara.

Os músicos, menos os tocadores de violoncelo, erguiam-se. O regente, de casaca, fazia frente à retaguarda e ficava de braços caídos. O hino nacional não precisava dirigido.

O chamado rabecão-guia, nesse tempo a cargo do notável contra-pontista Cunha e Silva e colocado junto ao Maestro, até esse se virava para o camarote real voltando as costas aos executantes, porque o hino da carta e o hino privativo D'el-rei D. Luís - tocavam-se ambos - não careciam de ser guiados.

Mal acabava de soar o último compasso o Presidente da Câmara Municipal de Lisboa de casaca e faixa azul e branca assentando sobre uma barriga tremenda, erguia o chapéu para dar vivas correspondidos por toda a gente. (1)

Começava depois o espectáculo.

No camarote de gala as Pessoas Reais sentadas. tinham por detrás de cada poltrona um dignitário de pé. Lembro-me de ver meu Pai de farda chamada rica e grã-cruz, também de pé é com as mãos encostadas ás costas da cadeira real.

No camarote real dos dias simples estavam as damas da Rainha com os tais vestidos chamados. fardas. Em frente a Senhora Condessa de Edla num camarote propriedade do Augusto Esposo. (2)

Não era costume aparecerem os rapazotes e muito menos os rapazinhos nas récitas de gala, consideradas cerimónias da Corte e especialmente nas duas primeiras ordens de camarotes. O aparecimento dum menino era um escândalo, quase um crime de lesa etiqueta, mas o Daupias, não se importava com isso e levava-me para sua frisa n.º 10. Meu Pai fechava os olhos, mas quando os abria gostava de me ver.

Num intervalo não resisti à tentação de ir ao corredor da 1.ª ordem espreitar para o salão traseiro ao camarote grande, mas veio de lá um áulico de fardalhão e comendas, indignado - e com razão - de me ver ali e mandou-me embora. Como eu recalcitrasse ameaçou-me com um puxão de orelhas.

Fez bem em não realizar a ameaça porque teria levado um pontapé numa canela. Era a minha defesa quando os mais fortes me agrediam e foi-me ensinada pelo guarda-portão Bernardo que não se cansava de me repetir: «um bom pontapé nas canelas deixa marca para sempre».

Pelo que me lembra e por aquilo que tenho ouvido dizer, fui com certeza um menino por vezes desagradável, mas havia no entanto quem me quisesse bem.

E não guardo o menor rancor aos que comigo implicaram e por vezes tão rudemente...

«Perdono á tutti» como o Rigoleto. O que não posso é esquecer porque ainda não morri nem tão pouco tenho por enquanto os miolos inteiramente amolecidos.

*

* *

A etiqueta mandava que nas récitas de gala não houvesse manifestações de agrado ou desagrado – nem palmas nem pateada.

Por isso aos artistas agradava o debute nessas noites. Temiam o público de Lisboa famoso em apreciações manifestadas com os pés.

A notabilíssima cantora Borghi Mamo impôs uma vez a sua estreia em S. Carlos numa noite de gala com medo das botas e sapatos dos entendedores lisboetas.

Chegou a haver no nosso teatro lírico verdadeiras batalhas degenerando em pancadaria rija corpo a corpo.

No tempo da contralto Pasqua e da soprano De Réske, ambas elas notabilíssimas artistas, deram-se na plateia refregas de bordoada com intervenção da polícia, porque os admiradores duma pateavam a outra. Numa dessas refregas foi derrubado e moído com pisadelas o tranquilo Conde de Mesquitela (mais tarde Duque de Albuquerque) que nada tinha com o caso e era já um velho por sinal bondoso e pacífico.

(1) José Gregório da Rosa Araújo se chamou o popular e benemérito presidente da Câmara Municipal de Lisboa nessa época.

Era filho de Manuel José da Silva Araújo, natural de Famalicão e de D. Eulália Rosa da Silva (lisbonense).

Foi ele quem teve a ideia de substituir o Passeio Publico pela actual Avenida da Liberdade, mas parece que aos alfacinhas lhes deu de repente um ataque de saudades do velho recinto gradeado, de belas sombras e recordações, chegando a haver protestos e até motins contra o inteligente projecto. Foi necessário a guarda municipal proteger os operários que principiaram a demolição das grades em 24 de Agosto de 1879. O próprio Presidente teve de ir para casa escoltado pela cavalaria. Os trabalhos foram dirigidos pelo engenheiro António Maria de Avelar.

O primeiro enterro que teve licença de passar pelo centro da Avenida da Liberdade foi o do próprio José Gregório da Rosa Araújo (Janeiro de 1893).

Os candeeiros da iluminação pública estavam todos cobertos de crepe.

Rosa Araújo, disforme no físico, era todavia, o dono dum formoso coração e duma alma bem formada.

Mãos largas para tudo e para todos, deu cabo duma boa fortuna com a maldita politica e com a prática do bem.

Foi dedicadíssimo a El-Rei D. Luís que muito o distinguiu. Tenho notícia de correspondência curiosíssima entre o Poder Moderador e o presidente do Município.

O pai de Rosa Araújo fundou em 1840 na então travessa de São Nicolau, hoje rua, uma confeitaria que passados anos se mudava para defronte, onde está ainda hoje e com o mesmo nome.

Era da porta dessa confeitaria que o velho Araújo chamava os rapazinhos para lhes dar um rebuçado dizendo-lhes: «toma lá um cócó».

Daí lhe veio a alcunha que passou para o filho benemérito e para uns pastéis de ovos envolvidos em massa folhada papirácia.

Durante muitos anos os famosos e deliciosos pastéis de ovos, vulgo pastéis de cocó, foram exclusivo da confeitaria, Rosa Araújo mas hoje fazem-se em varias casas de Lisboa e numa do Porto.

Até os há em Madrid iguais aos de cá. Falo-os um pasteleiro português chamado Martinho e aos pastéis chamam-lhes lá Glorias de Portugal.

Estas informações e outras ainda mais interessantes, mas de carácter privado, me foram dadas pelo meu velho e bom amigo Isidro Mendes da Silva que durante muitos anos foi empregado, e amigo dedicado dos Araújo pai e filhos e por fim proprietário da casa. 

(2) Este camarote é no fim de contas uma tribuna grande (ocupando o espaço de dois camarotes) que duma residência particular, encravada no edifício, deita para a sala da Ópera.

Por detrás dessa tribuna há duas salas e mais quartos com janelas para o ar livre e uma escada de pedra conduzindo a um vasto rés-do-chão com portão para a rua Serpa Pinto e onde podem recolher carros.

O camarote com os anexos pertenceu primitivamente à família Quintela e por morte do Conde de Farrobo, membro dessa família, foi comprado por El-Rei D. Fernando que o deixou a sua Esposa. Esta Senhora vendeu-o à Senhora Condessa de Penha Longa, passando por morte desta para seu sobrinho e herdeiro o actual Visconde dos Olivais, meu velho amigo e também avó dalguns dos meus netos.

Actualmente o camarote grande está dividido em dois pequenos. 

Fonte:
Tomás de Melo Breyner,
Memórias do Professor Thomaz de Mello Breyner, 4.º conde de Mafra ..., vol. I: 1869-1880
Lisboa, Parceria António Maria Pereira, 1930,
págs.318-322.

 

28
Out20

Escrita sobre minha história pessoal (questão 1)

D. Rafaela da Silva Melo

Saudações,

Recebi este formulário em inglês com 50 questões para responder sobre minha própria história. As respostas serão postadas aqui no blog.

1. Escreva o seu nome. De onde ele veio? O que ele significa?

D. Rafaela da Silva Melo.

Dona é uma herança de D. Maria da Silva Melo, esposa de Estevão Soares de Melo, 6º Senhor e Conde de Melo, cujo o registro consta no atual nobiliárquico das famílias nobres e reais Portuguesas.

Dona e sua abreviatura (D.) é um tratamento dirigido a reais ou nobres.

O nome Rafaela significa "Deus curou" ou "curada por Deus", sendo esta a variante feminina de Rafael, nome originado no hebraico Rephael, o qual é formado pela junção dos elementos Repha, que significa "curou", e "el", que quer dizer "Deus". Dessa junção, resulta o significado "Deus curou" ou "curada por Deus".

Por influência da simbologia religiosa, foi um nome muito adotado pelos primeiros cristãos, na Idade Média, principalmente entre os italianos. Além disso, também foi muito popular entre os judeus.

Nos países de língua inglesa este nome não é muito adotado, mas na língua portuguesa e espanhola o nome Rafaela é utilizado desta forma pelos falantes, enquanto no italiano o nome é grafado como Raffaela.

Há uma cidade na Argentina chamada Rafaela e futuramente uma Ilha.

rafaela.png

27
Out20

Lançamento do livro: Children’s Portraits by John Everett Millais (2020)

D. Rafaela da Silva Melo

John Everett Millais, um pintor Pré-Rafaelista britânico que com muita ternura e delicadeza retratou crianças nascidas nas redondezas onde viveu e cresceu concentrando-se em aspectos de suas vidas cotidianas e dos acontecimentos da época. Os comentários para ou sobre as pinturas são muitos e em sua maioria para a doçura das crianças retratadas e suas relações com suas famílias.

Minha escolha pelas pinturas do Millais me ajudam a relembrar da minha infância e de todos os bons momentos vividos com meus parentes, na escola e com os meus amigos. Boa parte de suas obras estão guardadas em coleções particulares, museus na Inglaterra ou ainda, cuidada por pessoas muito especiais, algumas delas sabem do meu interesse particular por duas delas, My First and Second Sermon, por eu ter tido momentos semelhantes aos retratados em minha infância.

A simpatia e a ternura do Millais também contribuíram para que suas obras encantem e despertem o senso estético adormecido em muitas pessoas. Para mim, Millais me confronta, me conforta e sempre me faz feliz.

Childrens-Portraits-1-1283x2048 (1).png

Children’s Portraits of John Everett Millais by Lady Rafaela of Wenlock (2020).

27
Out20

A Shropshire lad: minhas flores

D. Rafaela da Silva Melo

5d71862878c4eb8401ddd0afe61cbf40_1200x.jpg

b71d767c8ec146f5df78ee48b6fb3e95_1200x.jpg

b6833d7506f419b5076ffe10e784f7c2_1200x.jpg

c915f4cc77aa73fa36cbb948126128e8.jpg

ec3ef1659103153f0b50d83a5f47bdb6_1200x.jpg

f04b17b3245ece257d30d0cfff34e030_1200x (1).jpg

 

Origem do nome: O nome dessas flores foi retirado do ciclo de poemas de A. E. Housman sobre Shropshire, publicado em 1896, onde um lindo jardins dessas rosas e  seu viveiro estão situados. As cinzas de A. E. Housman estão enterradas perto da Igreja de St. Laurence em Ludlow, Shropshire. David C. H. Austin, nascido em Shropshire, é também um rapaz de Shropshire.

Há anos ouço falar sobre essas flores, que são realmente lindas e não consigo encontrá-las vivendo no Brasil. Recentemente, conheci os poemas neste site.

Planejo viajar para o Reino Unido em breve, conhecer Shropshire e visitar este famoso criador de flores!

 

 

 

 

21
Out20

34 anos!!!

D. Rafaela da Silva Melo

Saudações,

Em 19 de outubro de 1986, nascia uma Condessa em Paulista, PE.

E foi lá, junto com a minha família do ramo dos Silvas-Chefes que comemorei mais um ano de vida.

E na festinha teve um bolo de chocolate recheado com coco e calda de chocolate com confeitos de chocolate e salgadinhos. Meus primos estavam lá, e eu usei um equipamento real para festas de aniversário: um vestido de tulé, uma camisa amarela, um lindo par de brincos e sapatos de salto.

De presente, ganhei um pequeno poema manuscrito redigido na década de 40 por Mucio Carneiro Leão (Recife, 17 de fevereiro de 1898 Rio de Janeiro, 12 de agosto de 1969), um jornalista, escritor e orador brasileiro, membro da ABL - Academia Brasileira de Letras, de título, Genese. 

4412644.jpg

4412644_1.jpg

E em seguida, fotos minhas:

121672237_712722169329522_5168479658856181471_n.jp

121616261_956634081414245_5041094902694551342_n.jp

 

21
Out20

Livro: Doggo's Glossary (2020)

D. Rafaela da Silva Melo

Saudações,

O tema desta postagem é sobre o Livro: Doggo's Glossary, lançado em agosto de 2020.

Do que ele trata? dos mais adoráveis doggos do mundo inteiro!

doggos glossary (1).png

Sinopse:

Ah, os Doggos! Doggos são criaturas adoráveis e especiais que marcam nossas vidas de um jeito único e incrível.

Há muitos Doggos, mas os Doggos verdadeiros são raros e difíceis de encontrar.

Para ser um Doggo não há seleção, nem competição, nem qualquer outro tipo de exame. Ser um Doggo é apenas uma questão ser e identificá-los é algo imprescindível para qualquer amante de cachorros de raça ou não.

Este livro foi feito pelas mãos de pessoas que amam os Doggos e tudo que eles são e fazem, especialmente quando são aventureiros e brincalhões. Espero que gostem do resultado!

 
14
Out20

Suffolk: passeio marítimo

D. Rafaela da Silva Melo

A costa de Suffolk é a mais próxima de Londres e exibe notável beleza natural. Famosa por sua culinária e seus produtos, a costa de Suffolk é um destino popular para os turistas. A região oferece muitas opções, como locais históricos, esportes aquáticos, passeio de barco, spas, campos de golfe, teatros, galerias e centros de vida selvagem. Oferece também inúmeras caminhadas fantásticas na costa, programa ideal para todas as idades, com vistas impressionantes da bela Suffolk.

Suffolk---H2-Beauty-1200x600.jpg

A costa de Suffolk fica a praticamente duas horas e meia de nosso porto em Dover. De lá, chega-se facilmente a Suffolk pela M20 e A12. Se você desembarcar em Newhaven, o melhor caminho até Suffolk é pela M25, a apenas mais meia hora de distância. Seja qual for o porto de sua escolha, a rede de estradas é rápida e de fácil acesso.

Suffolk---H2-What-to-see-1200x600.jpg

Aldeburgh é uma bela cidade às margens do rio Alde. Seu nome deriva de "Alde Burgh", que significa "forte antigo". Ficou famosa por sua grande indústria de construção naval, responsável pela criação do "Golden Hind" de Francis Drake. A cidade tem alguns belos edifícios históricos, como o Moot Hall do século XVI e a Martello Tower da era napoleônica.

Aldenburgh tem uma conhecida praia de calhaus, onde os pescadores vendem peixe fresco diariamente em suas pequenas cabanas. Na cidade, há também dois restaurantes de gestão familiar especializados em "fish and chips" que têm fama de ser os melhores da Inglaterra.

Suffolk---H2-History-_2_-1200x600 (1).jpg

Os apaixonados por história podem visitar o imponente Orford Castle. O castelo foi construído entre 1165 e 1173, e sua singular torre poligonal de 27 metros tem cinco andares e inclui cozinhas e uma capela. Do alto, as vistas panorâmicas são fantásticas. A igreja de St. Peter and St. Paul de Lavenham vale uma visita por seus preciosos entalhes, tanto no interior quanto no exterior. Além das diversas construções históricas, Lavenham é agraciada com ótimos pubs, bons restaurantes e lojas de antiguidade.

Suffolk---H2-Southwold-1200x600 (1).jpg

Em busca de uma cidade litorânea tipicamente inglesa? Southwold é para onde você deve ir. É famosa por seu emblemático farol, belo cais vitoriano, coloridas cabanas praianas e praia de areia macia. No cinema tradicional Electric Picture Palace são exibidos filmes clássicos e lançamentos. O cinema ainda mantém seu órgão original.

Uma viagem a Southwold não estaria completa sem uma visita ao topo do farol. As vistas são magníficas, e guias experientes apresentam um resumo da história local.

Gostaria de agradecer as fofinhas Francesca e Holly por criarem este mapa tão adorável que em breve estará em minha parede.

Captura de Tela 2020-10-14 às 15.00.48.png

                       Map of Suffolk Art Print (various sizes)

 

 

14
Out20

Passaporte do Brasil Imperial para membros da nobreza e realeza do Brasil

D. Rafaela da Silva Melo

Meses atrás vi uma proposta que encheu os meus olhos de tanta alegria: um passaporte do Brasil Imperial para os membros da nobreza e realeza como eu. Ser registrado pela Família Imperial do Brasil, apresentar os documentos que eles exigem para viajar e necessitar da aprovação ou dos representantes dos chefes das familias reinantes pode parecer algo não muito interessante, mas os benefícios são imensos.

450xN.jpg

Com um passaporte real em mãos, uma nobre ou membro da realeza, como eu, irá passear não mais como uma turista comum em museus, castelos, teatros e monumentos históricos e sim, como uma pessoa muito importante no seu país, que contará com uma proteção da Guarda Imperial e outros que compõem a guarda da realeza e também da nobreza. 

Outro benefício é o tempo de espera na fila de imigração, pois em todos os aeroportos deverá haver um profissional exclusivo para autenticar as viagens dos nobres e reais.

Reais identificados poderão ter sugestão de roteiros e de encontros e reuniões com outros líderes mundiais para atividades de lazer como festas, jantares, passeios, etc., durante a viagem. E ainda por cima, indicação de hospedagem e passeios em lugares com poucas pessoas e sem fotográfos. 

Porta-passaportes-históricos.jpg

Para a realeza o registro de reais e nobres do Brasil, que viajam ou vivem no exterior pode ser muito útil para fins censitários e composição populacional de um grupo grande, distinto e muito fixe, com os dos nobres e reais do Brasil.

Há mais benefícios em possuir um passaporte do Império do Brasil ou Império de Portugal, mas ainda não é possível emitir este passaporte. Acompanhar a FanPage da Casa Imperial do Brasil pode ajudar a saber sobre as novidades como a edição de 2020 do evento que anualmente congrega veteranos e jovens monarquistas de todo o Brasil.

Sob o leitmotiv “Tradição vs. Nova Ordem Mundial”, o XXX Encontro Monárquico Nacional – outrora previsto para o início do mês de junho – será realizado, excepcionalmente este ano, em formato de videoconferência, face à pandemia do novo coronavírus e em respeito às medidas de distanciamento social em vigor em todo o nosso País.

Também serão celebradas, em São Paulo e no Rio de Janeiro, Missas em Ação de Graças pelo 82º aniversário natalício de Sua Alteza Imperial e Real o Príncipe Dom Luiz de Orleans e Bragança, Chefe da Casa Imperial do Brasil.

As datas de realização de cada um dos atos, a programação detalhada das conferências do Encontro e o formulário de inscrição serão disponibilizados oportunamente.

119203109_2903970473172857_3152668620759386023_n.j

Cartaz de divulgação do "XXX Encontro Monárquico Nacional: Tradição vs. Nova Ordem Mundial", inteiramente online e sem data marcada.

 

12
Out20

Minha primeira biografia profissional

D. Rafaela da Silva Melo

Saudações,

Hoje é o Dia das crianças e de Nossa Senhora Aparecida no Brasil. E estou muito feliz, pois recebi hoje minha primeira biografia profissional que será publicada em breve no site da Wikipédia e traduzida para vários idiomas.

Para ter uma própria biografia é preciso ter alguns documentos, títulos de realeza, nobreza, prêmios, informações detalhadas da própria identidade sua e dos membros da sua família, até os animais e amigos próximos (que não podem ser fontes para uma biografia). Há funcionários reais que fornecem informações e registros de membros da realeza e nobreza.

Atualmente, também solicitam testes e amostras de DNA e verificam um banco de dados com suas informações pessoais. 

Minha biografia pode ser encontrada nos seguintes sites:

* MyHeritage

* Geni

* WikiData

* PeoplePill

* WikiTree

Biography

D. Rafaela da Silva Melo (Lady Rafaela of Wenlock) born on October 19, 1986, in Paulista, Pernambuco, Brazil, as the 4th Countess of Melo, of the direct descent of Rei Filipe V of Spain and Duke of Anjou with his second wife, Princess Isabel Farnésio, mother of Maria Teresa Rafaela of Spain, Luís wife, Delphin de France, whose bust was sculpted by Jean-Baptiste Lemoyne II, the Younger. Her birth was authorized for the church and royal houses of Brazil, Savoy, Bourbon, Valois, Orleans and, also, Württemberg.

Her title is an inheritance from D. Maria da Silva Melo, wife of Estevão Soares de Melo, 6th Lord of Melo. The last person to use the title of Lady Wenlock was called Elizabeth (née Grosvenor), wife of 2nd Baron Wenlock; daughter of 2nd Marquess of Westminster.

She is daughter of, Equestrian Ivo Batista de Melo, Equestrian of the Brazilian Equestrian Order and his wife, Dame Maria Rosânia da Silva Melo, granddaughter of Earl Pedro Ivo de Melo and sister of Equestrian Rodolfo Ivo de Melo.

Education

She did her elementary studies in local schools and in High School, she went to Colégio Americano Batista in Brazil. She studied education, arts, economics and politics at the Federal University of Rio Grande do Sul, where she was awarded.

She has started a master's degree and plans to earn a Phd in Education.

Life and Career

She is very dedicated to the arts, history, literature and philanthropy. She likes to attend sporting events, festivals, fashion and telecommunications. She was married, divorced in 2016 and is single. Recently, she opened Bank of Melle, focused on stock and bond market and which is part of Bank Rothschild in England.

She is also a book publisher and has a stationery store.

She expressed interest in belonging to a team of explorers who will make the last expedition to the South Pole.

Orders

Officer, Order of the British Imperial (OBE)

Grand Cross, Order of Christ Dame,

Rosicrucian Order Grand-cross,

Order of the Crown (Württemberg) Dame,

Order of Queen Maria Luisa

Titles

Queen Consort of Castile

Countess of Melo

Countess of Portalegre

Countess of Murça

Comtesse de Valois

Senhora of Melo

Lady Wenlock

Her Grace, The Duchess of Suffolk

Your Lady, 4th countess of Melo

Your Lady, 5th countess of Murça

Your Lady, 5th countess of Portalegre

Most Christian Majest, Comtesse de Valois

Very Honorable, Countess of Melo

Much Honable, 4th Countess of Melo

Very Respectable, Countess of Melo

Very Respectable, 21ª Senhora de Melo

Born member of Academia Pernambucana de Letras

His birth title was attributed to Rua Condessa de Murça in Portugal.

Sources

1. https://www.npg.org.uk/collections/search/portrait/mw136221/Elizabeth-ne-Grosvenor-Lady- Wenlock?LinkID=mp90220&role=sit&rNo=2

2. https://pt.scribd.com/document/478954509/Dumpy-Proverbs-With-Original-Illustrations-Final

3. https://pt.scribd.com/document/473956438/Doggos-Glossary

4. https://www.ice-warrior.com/so/59NH9CPGX#/main Obtida de "https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Lady_Rafaela_of_Wenlock&oldid=59533944"

12
Out20

Registros de Cidadãos do Mundo

D. Rafaela da Silva Melo

Saudações,

Em 2019, eu conheci um grupo que apoia e incentiva o registro de humanos do mundo e fiz o meu próprio registro.

Para fazer parte do Citizens of the World , basta adquirir uma “carteira de identidade de Cidadão do Mundo”, que permite votar e receber os Cidadãos Trimestrais do Mundo .

Esses cartões estão disponíveis nos seguintes idiomas: suecoportuguêsoccitanoholandêsjaponêsitalianogregofrancêsesperantoespanholalemão e inglês.

O boletim trimestral é publicado apenas em inglês, francês, espanhol e esperanto. O "congresso dos povos", que surgiu de Cidadãos do Mundo , criou em 1977 o Instituto de Estudos Globalistas e, em 1982, o Fundo Global de Solidariedade contra a Fome.

Abaixo, o meu registro também como uma humana cidadã do Mundo.

IMG_20201012_124147.jpg

 

.

Pág. 1/2

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub