Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Condessa de Melo

Condessa de Melo

30
Ago21

Maria João Pires em Schubert, Debussy, Beethoven

Rafaela da Silva Melo

É um concerto memorável que torna a lenda de Gstaad até hoje. O recital oferecido esta noite por Maria João Pires desperta o total apoio pela sua exigência artística e também pelo incrível desafio no papel de interpretar obras tão formidáveis ​​e contrastantes: aliás, por duas vezes desde que cobiçoso obriga e redução do público, o festival duplicou este ano vários programas: uma performance adicional para os artistas. Este recital foi então apresentado às 18h00 e depois às 20h30.

Para cada compositor, a intérprete sabe renovar a sua abordagem na tensão, na nuance, numa elegância interior que só lhe pertence. Uma oferta incrível para redescobrir partituras e escritos familiares que pensávamos conhecer. A característica de [muito] grandes intérpretes é dar a impressão de ouvir novas obras que parecem improvisadas durante o concerto. Maria João Pires faz-nos sentir isso além das nossas expectativas.

A elegância interior de Maria João Pires em Schubert, Debussy, Beethoven (© R Faux 2021)

A elegância interior de Maria João Pires em Schubert, Debussy, Beethoven (© R Faux 2021)

Na primeira obra, notamos o que ilumina sua execução, ao mesmo tempo transparente e íntima: a ternura amorosa de Schubert (Sonata D 664) que está no impulso ou mesmo na embriaguez emocional de que dança como uma valsa rústica .; a sua música produz uma franqueza, uma inocência intacta, expressa na explosão do desejo ... à qual o toque natural e simples de MJP traz liquidez, evidência, uma oxigenação muito mozartiana.

A mesma interioridade matizada em Debussy (Suite Bergamasque) , mas seu langor é de um prazer diferente, mais suave e nostálgico; onde num jogo de ressonâncias ladrilhadas, o pianista exalta sem forçar as cores e raras harmonias de Prélude, Minuet…; seu Debussy lembra, ressoa e suspira com o top “Clair de lune”,… a cristalização final do íntimo.

O último opus deste programa bastante ambicioso é musicalmente e fisicamente o mais exigente: Sonata opus 111 de Beethoven ! Registrá-lo neste contexto é uma maratona.

O Opus 111 (escrito em janeiro de 1822) é uma recapitulação de todos os estilos de Beethoven; é uma soma musical e um laboratório sonoro que impressiona por sua magnitude; MJP engajado nesta luta entre forças vitais (Ludwig na profissão de Solemnis queria provar seu gênio composicional intacto apesar dos rumores) afirma uma tenacidade admirável que a princípio persiste na aspereza, então constrói, desconstrói, reconstrói a catedral sonora com analíticas surpreendentes probidade. O significado da música, o discurso musical designa o arquiteto de uma exigência aterrorizante: por que esse motivo se desenvolveu aqui e não ali; por que nesta ordem e não de outra forma? 

A fúria da matriz exprime-se sem maquilhagem neste borbulhar quase improvisado e num jogo de desordenadas variações rítmicas que retomam o tema mesmo que signifiquem prejudicá-lo. Ludwig faz ali sua autocrítica, um autorretrato espiritual onde as notas formam os mil acentos de suas contradições íntimas. 

Sob os dedos ágeis inspirados por tal terna intérprete (a renúncia segura e definitiva da Arietta), a proposta, tão pensativa, tão encarnada, - o gesto que dela deriva, tão livre - revela-se avassaladora. A honestidade, a sobriedade, a sinceridade demonstrada pela intérprete, maravilhavam. Sob os dedos ágeis inspirados por tal terna intérprete (a renúncia assegurada e definitiva de Arietta), a proposta, tão pensativa, tão corporificada, - o gesto que dela flui, tão livre - torna-se irresistível.

 A honestidade, a sobriedade, a sinceridade demonstrada pela intérprete, maravilhavam. Sob os dedos ágeis inspirados por tal terna intérprete (a renúncia assegurada e definitiva de Arietta), a proposta, tão pensativa, tão corporificada, - o gesto que dela flui, tão livre - torna-se irresistível. A honestidade, a sobriedade, a sinceridade demonstrada pela intérprete, maravilhavam.

No bis, o incomparável músico toca Arabesque de Debussy: a mesma inteligência de toque capaz de esculpir frases de sonho ... o encanto continua. Magistral.

Texto original publicado aqui.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub